3.0
Publicado por Lucas Campos
Leah MacKenzie, de 17 anos, não tem coração. O que a mantém viva é um coração artificial que ela carrega dentro de uma mochila. Com seu tipo sanguíneo raro, um transplante é como um sonho distante. Conformada, ela tenta se esquecer de que está com os dias contados, criando uma lista de coisas para fazer antes de morrer . De repente, Leah recebe uma segunda chance: há um coração disponível! O problema é quando ela descobre que o doador é um garoto da sua escola e que supostamente se matou! Matt, o irmão gêmeo do doador, se recusa a acreditar que Eric se suicidou. Quando Leah o procura, eles descobrem que ambos têm sonhos semelhantes que podem ter pistas do que realmente aconteceu a Eric. Enquanto tentam desvendar esse mistério, Matt e Leah se apaixonam e não querem correr o risco de perder um ao outro. Mas nem a vida nem um coração transplantado vem com garantias. Quem diria que viver exige mais coragem do que morrer?

l RESENHA: EU E ESSE MEU CORAÇÃO – C. C. HUNTER

Editora: Jangada

Gênero: Romance, mistério.

Páginas: 424

Nota: 3.0/5.0

Fui imediatamente atraído pela história deste livro, pois parecia que seria diferente de muitos outros contemporâneos de YA. Eu tinha interesse na maneira como os personagens interagiam uns com os outros por causa de suas circunstâncias, e como isso se tornaria um relacionamento.

Embora eu tenha achado Eu e esse meu coração um livro super fofo, fiquei um pouco decepcionado. O que me decepcionou foi o foco no mistério em torno da morte do irmão de Matt, Eric. Isso criou um conflito interessante, mas acho que este livro poderia ter sido muito mais forte se lidasse com Leah e Matt tentando chegar a um acordo com a morte e lidasse com os efeitos de Leah pegando o coração de Eric. Esse aspecto misterioso parecia pouco desenvolvido e me tirou da história, pois parecia tão irrealista.

“Solto uma risada, mas é forçada. Odeio pensar num transplante. Não apenas porque não acho que vá acontecer, mas porque alguém teria que morrer para que eu sobrevivesse, e acho isso muito errado.”

No entanto, os elementos do livro em que Leah e Matt enfrentam dificuldades emocionais resultantes da morte e do transplante de coração pareciam tão cruéis e reais. Era fácil ver por que esses personagens foram desenhados juntos. Observar o relacionamento deles se desenvolver em momentos tão difíceis foi o mais doce.

Contado pelas perspectivas de Leah e Matt, o livro faz um bom trabalho em informar os pensamentos e sentimentos dos dois personagens, que eu senti que eram cruciais em uma história como essa.

“Não faça nada de que vá se arrepender depois. Mas faça o suficiente para saber exatamente do que se arrependeria e aprenda a se arrepender menos.”

Mas no geral, eu senti o manuseio confuso da morte de Eric e o mistério que a acompanhava, apenas criou um drama extra que não foi tratado de maneira convincente.

Isso não quer dizer que não gostei do livro. Foi definitivamente divertido, emocional e adorável! Mas, vislumbrei o quão poderoso o livro poderia ter sido, se alguns elementos da história tivessem sido removidos.

“Não, não é só o novo coração. Sou eu. Eu mudei. Não tenho mais certeza de quem sou. Não tenho certeza se posso voltar a ser a Antiga Leah. E quem é essa Nova Leah? Isso é um grande mistério.”