21 de Outubro de 2019
Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter. A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras. Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.

l RESENHA: SOMBRA E OSSOS (TRILOGIA GRISHA #1) – LEIGH BARDUGO

Editora: Gutenberg

Gênero: Fantasia, Romance.

Páginas: 288

Nota: 7.5/10.0

Fiquei super empolgado com Sombra e Ossos com seu cenário de inspiração russa, sua marca de sistema mágico e a promessa de um mundo pródigo. E com toda a justiça, os primeiros capítulos foram muito bons. Eu amei a estreita amizade entre a personagem principal Alina e seu amigo de infância Mal (e seu amor não correspondido por ele), bem como a primeira introdução à nação de Ravka e seu sistema mágico controlado pelos Grisha. A trama se move quando Alina, Mal e seu regimento são atacados e Alina exibe uma quantidade incrível de poder inexplorado, economiza o dia, é feita para se juntar às fileiras dos Grisha e começa seu treinamento na corte.

Foi quando a história se move para a Corte e para o treinamento de Alina como Grisha que as coisas pioraram para mim e eu acabei ficando totalmente entediado com Sombra e Ossos. Não é que seja um livro ruim, a escrita é bastante competente, por exemplo. Mas tudo era tão familiar e senti que tudo estava seguindo tropos de fantasia super convencionais sem realmente avançar / subverter / fazer algo novo ou emocionante com eles. Você tem o pobre órfão com baixa auto-estima, que acaba por ser a pessoa mais poderosa que já existiu. Seu treinamento é cheio dos altos e baixos esperados, obstáculos difíceis de superar, completos com rivais ciumentos e um mestre do tipo Yoda que até soa como Yoda (“Amanhã, pouco chega cedo, treina com Botkin”). Existe até um objeto muito poderoso que aumentará seus poderes. É tão … igual? Convencional? Não que exista algo de errado em seguir as orientações, mas achei que essa história em particular não era inspiradora.

Para piorar as coisas, quando não sou tão usada por uma história, minha mente tende a vagar e eu dou uma espiada … e algumas das coisas que surgiram na minha cabeça foram:

O “Darkling” não tem nome? Ele continuou sendo abordado e chamado de “Darkling” ao longo do livro e toda vez que eu sentia vontade de rir.

O que no mundo era a obsessão desse personagem pela beleza? Se eu tivesse que ler sobre mais uma Grisha linda e perfeita e como Alina não poderia ser uma verdadeira Grisha porque ela não era bonita, eu teria feito algo drástico. Eu pensei que as coisas estavam realmente confusas nesta arena, francamente: é como se Alina alinhe beleza com poder e, em minha opinião, isso é apenas reforçado pelo fato de que quanto mais poderosa ela se tornou, mais linda e perfeita era. Não ajuda que a grande maioria dos personagens parecesse muito semelhante com suas belas e perfeitas peles brancas. Eu não estava confortável com a extrema ênfase na beleza e perfeição atribuída aos personagens.

O mais frustrante é o fato de Sombra e Ossos não ficarem inteiramente sem seus grandes momentos. Como eu disse, o começo mostrou muitas promessas, eu realmente pensei que o romance era muito doce e houve momentos de briga arrepiantes que foram legais, mas finalmente fiquei desapontado com a coisa toda.

Eu realmente não tenho muito mais a dizer sobre este, eu tenho medo. Falhou completamente em deixar uma impressão duradoura, dois dias depois de terminar e mal consigo me lembrar dos detalhes da história, mas embora Sombra e Ossos não inovador, é um livro muito divertido e vou continuar com a série. Tragam-me o livro 2!

postado por lucasadminst
compartilhe o post:  
comentários