02 de Julho de 2019
O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

l RESENHA: A RAINHA VERMELHA – VICTORIA AVEYARD

Editora: Seguinte

Páginas: 424

Nota: 4.5/ 5.0

“Uma sociedade divida pelo sangue.
Um jogo definido pelo poder.”

A Rainha Vermelha é um começo incrível para a série da Victoria Aveyard. Desde a primeira página do livro eu estava apaixonado, o desenvolvimento da personagem em toda a trama e o ritmo da ação foram todos escritos lindamente, eu simplesmente não consegui colocar o livro no chão. É a novela distópica perfeita, no sentido de que ela toca em todos os tropos, a jovem que se levanta da opressão e luta por aqueles que ela deixou para trás. Mas de alguma forma, Aveyard faz isso com um enredo único que você nunca, jamais, verá chegando. Ele tira o fôlego em lugares quando as peças começam a finalmente cair juntas.

“Erga-se, vermelha como a aurora.”

“Pensar que todos os prateados são maus é tão errado quanto pensar que todos os vermelhos são inferiores.”

“Parte de mim deseja se submeter às correntes, a uma vida cativa e silenciosa. Mas eu já vivi uma vida assim, na lama, nas sombras, numa cela, num vestido de seda. Jamais serei submissa de novo. E jamais vou parar de lutar.”

“– Quantos? – grito em resposta, reunindo forças para encará-los. – Quantos morreram de fome? Quantos foram assassinados? Quantas crianças foram levadas para a morte? Quantos, meu príncipe?”

postado por lucasadminst
compartilhe o post:  
comentários