11 de Maio de 2018
Era uma noite escura e tempestuosa; a jovem Meg Murry e seu irmão mais novo, Charles Wallace, descem para fazer um lanche tardio quando recebem a visita de uma figura muito peculiar. “Noites loucas são a minha glória”, diz a estranha misteriosa. “Foi só uma lufada que me pegou de jeito e me tirou da rota. Descansarei um pouco e seguirei meu rumo. Por falar em rumos, meu doce, saiba que o tesserato existe, sim. ” O que seria um tesserato? O pai de Meg bem andava experimentando com a quinta dimensão quando desapareceu misteriosamente…. Agora, com a ajuda de três criaturas muito peculiares, chegou o momento de Meg, seu amigo Calvin e Charles Wallace partirem em uma jornada para resgatá-lo. Uma jornada perigosa pelo tempo e o espaço.


I RESENHA: UMA DOBRA NO TEMPO – Madeleine L’Engle

Editora: HarperCollins
Ano da edição: 2017
Nota: ♥♥♥♥♥

 

Uma Dobra no Tempo leva nossa imaginação para um mundo fantástico repleto de cores, magia e nos apresenta criaturas inimagináveis que nos remete a obras como Alice no País das Maravilhas, Harry Potter, Peter Pan e O Mágico de Oz. A história é leve, curiosa e atraente, nos instigando a ler cada ver mais. O livro é claramente uma obra infanto-juvenil, mas sua escrita e peculiaridade a transformam em uma obra perfeita para todas as idades.

Uma Dobra no Tempo, o primeiro livro de 5 volumes, conta a história dos irmãos Meg e Charles Wallace e seu fiel amigo Calvin, que introduz uma contingência em busca do Dr. Alex Murray, o pai do casal de irmãos.

A aventura é estruturada por acontecimentos surpreendentes que usa o tempo e o espaço como base para toda a narrativa. Dr. Alex Murray desapareceu, mas a visita de uma criatura mágica ao longo de uma noite selvagem e chuvosa muda tudo na vida de uma família abandonada pelo patriarca.

O trio de protagonistas conseguem manter viva a essência da história, ainda mais sendo auxiliados por três fantásticas criaturas: as senhoras Quequeé, Quem e Qual. E no decorrer da história ainda somos apresentados a outras criaturas de vários planetas, onde descobrimos novas magias e nos aprofundamos ainda mais na história criando um grande sentimento de carinho por cada personagem. Meg, Charles Wallace e Calvin se completam de uma forma excepcional, preenchendo os defeitos dos companheiros com suas grandes qualidades e habilidades.

Em suas entrelinhas conseguimos aprender sobre lições de companheirismo e fortalecimento nos laços familiares e da amizade, tudo isso está praticamente explicito em suas falas e formas de respeitar um ao outro. O trio não nos faz entrar de forma profunda na história logo de cara, pois não encontramos aquela necessidade de viver dentro de apenas um personagem, muito pelo contrário, a cada mudança aprendemos a gostar de cada um deles de uma forma diferente, dando valores diferenciados e explorando sentimentos como amor, carinho e até mesmo a raiva. Esses elementos fazem com que a obra seja considerada um clássico da literatura de fantasia.

Embora o livro traga uma história impecável com personagens beirando a perfeição, a autora também se preocupou em mostrar que estudou para desenvolver todo o contexto histórico do livro. Ciência, física, experimentos e teorias, são apenas algumas coisas que a autora precisou buscar para aprimorar ainda mais a sua obra, que traz, como dito antes, diversas lições de vida. A obra, por trazer pequenos trechos bíblicos passou a ser considerada uma obra “cristã”, mas as suas diversas interpretações podem trazer diferentes olhares religiosos. O objetivo do livro não é se tornar algo cristão, mas sim mostrar um compilado de lições dentro da trama central, contexto que pode ser encontrado em diversos outros livros infanto-juvenil.

Uma Dobra no Tempo é aquele tipo de livro que deve ser trabalhado em todas as idades, pois nos mostra uma trama atrevida e curiosa carregada de pontos fundamentais dentro da sociedade e das próprias relações sociais. Aperte o cinto, porque logo na primeira página você vai se encontrar viajando em um novo tempo.

postado por lucasadminst
compartilhe o post:  
comentários